Categorias: Pessoalidades Pets

O que aprendi convivendo com cachorros

pacoca1

dogs
crédito da imagem: hurtbeatselliotfreeman lloydi ohheyhyehello aplacetolovedogs soggydan montagem: pequenina vanilla

Sempre achei importante as pessoas terem animais de estimação em suas casas. Dos meus 9 aos 22 anos, convivi com uma poodle (que não sei se era um poodle mesmo) chamada Dolly. Era uma cachorrinha meio doida, pulava nas pessoas de forma descontrolada e corria pelo quintal numa velocidade surpreendente. Nunca tinha sido criada com muitas frescuras, era cada uma no seu quadrado. Viveu durante quase 14 anos e quando se foi, fiquei muito triste e abalada. Mas, muito mais que isso, fiquei impressionada em descobrir como eu era apegada a esse animal, sem saber. Aí tinha decidido que não iria mais cuidar de um cachorrinho, pois tudo iria se repetir, um dia o bicho iria morrer e eu iria mais uma vez ficar deprimida.

dolly

Não deu 6 meses, lá estava eu novamente com um cachorrinho em casa.

Dessa vez, é um Dachshund chamado Paçoca. Quem me conhece ou segue pelas redes sociais, já conhece ele. É muito bonitinho, de porte pequeno e está com uns 8 meses. Já aprendeu diversos comandos de adestramento, uma coisa impressionante para mim que nunca tinha conseguido nem ensinar um cachorro a fazer xixi no jornal. Às vezes me tira do sério, revira o quintal de ponta cabeça e come qualquer coisa que esteja caída no chão. É um excelente cão de guarda, apesar do seu tamanho pequeno. E é um animal muito dócil, alegre e divertido com quem ele conhece e confia.

pacoca

Acredito que essa convivência com os animais é extremamente importante para nosso desenvolvimento como pessoa. Uma convivência saudável, respeitando as diferenças e entendendo que suas atitudes são de um animal e não de uma pessoa/criança, sem exageros e frescurisses de pet shop. Você aprende a ser mais tolerante, paciente, responsável e, em troca, ganha uma companhia e um amigo que não faz julgamentos a seu respeito. Eles mostram que a felicidade está nas pequenas coisas, pequenos momentos, pequenas conquistas e que a vida é muito curta e passageira para ser desperdiçada com preocupações desnecessárias.

• Doação de animais: Cãopanheiro Curitiba

E vocês? O que aprenderam com seus bichanos?

2 comentários

Let's talk!

  1. Ana Rita comentou:

    Me identifiquei muito com o seu texto. Eu tive um vira-lata, que morreu há dez anos. Este ano completei 21 e minha mãe me deu de presente a Mafalda, uma shih-tzu muito linda. Ela está com 3 meses (irá completar 4 daqui dois dias) e ela simplesmente mudou a energia da casa. A Mafalda é extremamente esperta e arteira durante alguns momentos do dia; mas, como você disse, não tem julgamento, é um amigo fiel. Quando estou triste, ela fica do meu lado pra me consolar e quando eu chego em casa e acordo, é a maior festa. Adorei seu blog! :)

    1. Oi Ana! Animalzinho de estimação é amor em forma de bolinha de pelos né?! <3 Fiquei feliz com seu comentário! Apareça mais vezes aqui no blog! Beijo!