Categorias: Blogagem Coletiva O cachorro Paçoca

Abraçando Patinhas, adoção consciente e guarda responsável

abracando-patinhas-3

Minha primeira cachorrinha, a Dolly, veio morar aqui em casa quando eu tinha uns 9 anos. Ela não tinha uma raça definida, mas sei que ela tinha um tanto de poodle ali na mistura. hahah Ela era bem dócil e viveu por 14 anos. Eu não tinha assim muito apego à ela, minha avó era quem cuidava de tudo, dava comida, limpava o quintal, essas coisas. Mas, quando ela se foi, deixou um vazio enorme por aqui. Fiquei extremamente chateada, nem passava pela minha cabeça que eu fosse sentir tanto, mas senti. Doeu, chorei e tentei me acostumar com o silêncio no quintal.

Nessa época, metade de mim queria sair igual uma doida procurando um cachorro pra trazer pra casa e outra metade sabia que isso era uma decisão muito séria. Eu sentia falta de ter um animalzinho aqui em casa, mas também sabia que o fato da minha avó não ter mais tanta disposição assim, fez com que eu tivesse que assumir toda a responsabilidade em cuidar e prezar pela vida desse novo integrante. Optar por trazer um bichinho pra casa deve ser sempre uma escolha consciente e responsável.

Essa é a Dolly! :)
Essa é a Dolly! :)

Depois de muito, muito refletir (depois de 6 meses, mais precisamente), lá estava eu derretida com tanta fofura, tendo que escolher entre 2 filhotinhos, coisas mais lindas do mundo. Um deles era o Paçoca, e aí você já sabe o que aconteceu. Não pude resistir àquelas perninhas curtas e carinha de coitado-por-favor-me-leva-com-você! :)

Cuidar de um cachorrinho traz muitas alegrias e recompensas. Não tem dinheiro que pague o amor que esses animaizinhos depositam na gente. Eles confiam em nós, estão sempre dispostos a nos fazer companhia e nunca é tempo ruim para brincadeiras e passeios. As demonstrações de amizade são sempre honestas, não há julgamentos nem interesses. Eles gostam de nós por sermos nós mesmos, não pelo que a gente tem, nem pela nossa reputação ou status.

Mini-paçoca!
Mini-paçoca!

Por outro lado, eles são seres vivos, que comem, fazem suas necessidades, seguem instintos, aprontam e nem sempre se comportam da forma como a gente gostaria. Parece óbvio né, mas muitos se esquecem desse “detalhe” na hora de levar um bichinho pra casa. O Paçoca, por exemplo, tem sérios problemas de sociabilidade. Ele é extremamente medroso e se torna muito agressivo na presença de estranhos. Essa é a parte chata e complicada da história, mas isso jamais será motivo para eu abandoná-lo. É aqui que entra o compromisso e a responsabilidade que eu assumi no momento em que o trouxe pra minha casa.

O problema é que muitas pessoas não pensam dessa maneira. Na hora do “aperto” ou na primeira dificuldade é que muita gente percebe que não queria e nem estava preparada para assumir esse compromisso. Um compromisso que pode durar 10, 15, 18 anos.

O resultado dessa irresponsabilidade são milhares de cães e gatos abandonados e mal-tratados que dependem de ONGs, como a ABEAC, para sobreviver. A realidade dessas ONGs é árdua e difícil. Amor e boa vontade tem de sobra, mas faltam recursos e estrutura para dar conta de tantos animaizinhos (a ABEAC, por exemplo, cuida de cerca de 1100 cães!). Além disso, a procura pela adoção é sempre menor do que a quantidade de novos animais que chegam, sobrecarregando os canis.

Então, o que podemos fazer para ajudar?

Adote! Se você já estiver com a ideia de cuidar de um animal de estimação (e já pensou bem sobre todas as responsabilidades e compromissos), dê preferência à adoção, sempre! São muitos cãezinhos e gatinhos procurando um lar, tem de todos os tipos, personalidades, tamanhos e cores. É só escolher (ou deixar que algum deles te escolha)! Certamente, você encontrará o bichinho que você tanto quer! Se você for daqui de Curitiba, dê uma fuçada na Cãopanheiro, que faz um ótimo trabalho aqui na região. ;)

Mas se, no momento, você não puder adotar, há outras formas de ajudar! Tem sim!

abracando-patinhas-5

O projeto Abraçando Patinhas é uma iniciativa linda do Rotaroots, em parceria com a marca de rações Max, que já garantiu a doação de 1 tonelada de ração para a ABEAC, a ONG que comentei ali em cima. :) Mas, você pode colaborar para que essa quantidade duplique e os bichinhos fiquem tranquilos de pancinha cheia por mais tempo! :) Para isso, contribua com a quantia de R$6 (o que são 6 reais né gente?) para adicionar 1,5KG de ração no total que será doado! (quanto maior o valor, mais kg de ração serão somados) Eu acabei de fazer a minha parte, mas juntos conseguimos fazer muito, muito mais! Quem está nessa também? \o/

abracando-patinhas-4

E você? Me conta sua história de amizade com seu amiguinho de 4 patas? Vou adorar ler!! :) Se você já fez sua contribuição no projeto, dê um oi ali nos comentários para eu ficar sabendo!

Não esqueça de compartilhar esse post nas suas redes sociais para fazer a mensagem chegar mais longe! ♥

Esta blogagem coletiva faz parte do projeto Abraçando Patinhas, uma iniciativa do Rotaroots em parceria com a marca de ração Max – da fabricante Total Alimentos. Saiba mais sobre o projeto no site do Abraçando Patinhas ou participando do grupo do Rotaroots no Facebook.

16 comentários

Let's talk!

  1. yasnaya comentou:

    Nossa! Tô amando essa iniciativa dos rooters, cada história linda, linda!
    É muita responsabilidade mesmo, como você falou têm os seus probleminhas, mas sempre vale a pena. Eles só querem e dão amor, tem coisa melhor?!
    Olhar esses olhinhos fofos pedindo carinho ou para brincar, ai não dá pra resistir …
    Às vezes me dá uma mini deprê e quero tbm sair procurando, mas a casa onde moro não permite, infelizmente. Mas, claro que futuramente terei um bebezinho :D

    1. Esse tema especial do Rotaroots arrasou né! <3
      Pois é, nem tudo são flores mesmo... mas é uma escolha! Quando assumimos cuidar de um bichinho, temos que ter isso em mente! :))
      Beijo!!

  2. Douglas comentou:

    Ai, que amor!
    Uma das melhores campanhas que o rotaroots criou so far!
    (O paçoca é tão fofinho!!)

    1. O Paçoca é um amor mesmo, sou muito feliz por ter trazido ele pra casa! <3 E o Rotaroots está se superando a cada mês né! hahah
      Beijo!!

  3. Adri, achei o máximo você chamar atenção para o fato de que ter um cachorrinho (ou gato, periquito, papagaio) envolve muita responsabilidade que sempre é recompensada com amor e lambidas hehe
    A situação dos animais abandonados é mesmo séria e fico muito orgulhosa de fazer parte de um grupo que se preocupa e se mobiliza para mudar isso.

    Um beijo!

    1. Exatamente, Stephany! Cuidar de um bichinho traz muitas alegrias, mas nem tudo são flores… e quando isso acontece com alguém que não está consciente de suas responsabilidades, quem sofre são os animais! :// Por isso, achei incrível a ideia do Rotaroots. Com tanta gente participando do grupo, a mensagem poderá ser passada para muitas pessoas, e quem sabe, um dia os animais terão todo o respeito e amor que merecem! :)
      Beijo!!

  4. Espero que as pessoas tomem a cada dia uma atitude de adoção. Aqui todas as minhas gatinhas foram adotadas. Se eu pudesse, adotaria mais (sim, a mulher dos gatos, mas com consciência!). Mesmo não podendo adotar mais, já peguei outros gatinhos para cuidar até encontrar um lar para eles. Lindinha a Dolly e o Mini-Paçoca! rsrs

    1. Aqui em casa sempre tivemos cachorros, então nem sei como é cuidar de gatos! haha Mas imagino que o amor e carinho sejam os mesmos né!
      Achei muito bacana sua atitude de tomar conta dos gatinhos até eles acharem um lar definitivo! <3 É muito bom saber que estamos fazendo a nossa parte!
      Beijo!!

  5. Ganhei o Loop cerca de 4 anos atrás. De imediato, ele só tremia e chorava. Quando cheguei ao portão aqui de casa, com a mão repleta de biscoito (de maizena) foi amor a segunda vista, ahahaha. Apesar, que depois de certo tempo, ele se encantou com meu pai, e dali em diante só seguia ele. Mas, mesmo assim eu o amo muito, tanto que nem sei o que será de mim quando ele partir.
    Amei a iniciativa, pena que já tentei me inscrever no Rotaroots DIVERSAS vezes e nunca consigo *snif snif*. Mas, sou brasileira e não desisto nunca, afinal.
    Um beijo!

    1. Oi Isa!! Que nome bonitinho, hahha <3 Eles ficam muito assustados no primeiro dia né... mas logo percebem que está tudo bem e aí é só amor! :)
      Eu não modero o grupo lá, mas sei que tem bastante gente entrando.... não desiste não! O grupo é lindo!
      Beijo!!

  6. Linda iniciativa ! Postei também lá no meu blog e confesso que lembrar me chorar …
    Dolly e Mini-paçoca fofuras demais ! bjs

    1. Tenho muita saudade da Dolly e escrever o post também me deixou bastante emotiva. Mas acho que é assim mesmo, eles vem e vão, nos dão alegria e carinho por um tempo e depois se vão para dar lugar à um novo companheirinho. :)
      Beijo!!

  7. Oi Adri, quanto amor nesse Paçoca fofo!
    Eu to adorando esse tema e espero poder contribuir com muitos dogs!

    Beijos,
    Pri

    1. Sim, esse tema foi lindo demais!! Cada um fazendo um pouquinho, no final vira um tantão que faz toda a diferença! ♥
      Obrigada pelo comentário! Beijo!

  8. Salcisinhas são amor demais, seu Paçoca é uma fofura!
    O primeiro cachorro mais presente na minha vida era um salsicha, da casa do meu namorado, todo cheio de manias, e um amorzinho. Quando ele se foi, todo mundo ficou arrasado, e eu choro só de lembrar, então imagino o que você passou com a Dolly =(

    Também tenho uma Paçoca, uma pastor alemã, escrevi sobre ela nessa campanha especial. Assim como o Paçoca, ela também tem dificuldade com as amizades, mas porque todo mundo fica com medo dela – aí é dificil socializar.

    Um beijão

    1. Ah que legal que você também tem um cachorro com nome Paçoca! hahhah <3 <3 <3
      Comigo é o contrário, todo mundo quer socializar com o Paçoca, ninguém acredita que ele é bravo (porque ele é pequeno) e ataca as pessoas! :/// Eu que fico desesperada, morrendo de medo que ele acabe machucando alguém! haha
      Beijo!!